9 de ago de 2010

A PASSAGEM

15/10/01

Cego diante ao pecado, espero.
Que dias haverão onde chorar será preciso
mas também serás impossível ao homem
que rastejante busca por migalhas bolorentas
do pão que o diabo num dia de festa amassou
As lágrimas hão de secar em teus olhos
que em chamas arderão sem misericórdia,
só, somente pó cobrir-te-á, e o ódio
que sempre ocupaste contra o próxmo rebelar-se-á
voltando-se contra quem sempre o usou!
Cego caminharás, por caminhos novos, porém antigos.
Lugares há muito esquecidos, abrirão seus portões
para sua passagem
tarde será para lamentos, ou súplicas
e a cada palmo que caminhes
subirão dos infernos, horrores e risos
serão eles preludios, avisos
de que o pior ainda não o encontrou!
Desejarás então chorar,
mas não o saberás, pois nunca em vida
por piedade, amor ou alegria chorou...

Nenhum comentário:

Postar um comentário